Memórias de WrestleMania: por LKS do @WrestleBR

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

John Cena vs Shawn Michaels – WrestleMania 23. “A primeira vez.”

Para tudo existe uma primeira vez. Certamente você já ouviu essa frase, usada em momentos de alegria e tristeza. Esse texto, por exemplo, marca a primeira vez que colaboro para o WWE RS. Sendo assim, nada melhor que falar sobre a primeira vez que assisti luta livre, e também sobre a minha melhor memória sobre a WrestleMania.

O que é isso? – Disse o pequeno Lucas, de 12 anos, ao parar sua televisão tubo de quatorze polegadas no SBT e ver dois homens trocando socos fora de um ringue. Esse não era de quatro cordas como os de boxe, também não lembrava as lutas de vale-tudo, onde os lutadores normalmente estavam apenas de shorts. Um deles estava, inclusive, com uma calça. Entre isso e Caldeirão do Huck, preferi a primeira.

Eu conheço essa voz. É o cara do telecatch. – Das profundezas das lembranças da minha infância, surge um nome: Michel Serdan. Quem zapeou os canais de tv durante os anos 2000 conhecia esse nome, seja pela participação em programas como A Praça é Nossa, seja pelo seu programa de Telecatch, o Gigantes do Ringue. A associação foi rápida, estava assistindo aquela luta ensaiada que lembrava remotamente. Mas essa parecia muito maior, então resolvi continuar assistindo, afinal, não era todo dia que você via um cara extremamente grande batendo em um homem de calças vermelhas, que cometia atrocidades como dar um mortal em uma mesa, que, àquela altura, acreditava ser uma estrutura inquebrável.

O combate era entre John Cena e Shawn Michaels, valendo o WWE Championship, no evento principal da WrestleMania 23. Hoje, onze anos depois de assistir esse combate, é fácil falar sobre os dois e seus caminhos para a luta. John Cena vinha de duas rivalidades muito boas com Rob Van Dam – que culminou no memorável combate no ECW One Night Stand de 2006 – e com Edge, que foi o principal antagonista de Cena durante o ano anterior. No caminho, ainda enfrentou o invicto Umaga, tornando sua estrada para a vitrine dos imortais. Já Shawn Michaels teve um caminho diferente. A lesão de Triple H deu fim ao retorno da dupla que tinha marcado o ano de 2006, colocando o Heartbreak Kid de volta nas competições individuais, o que lhe rendeu um épico embate contra The Undertaker no Royal Rumble de 2007, onde os dois competiram pela vitória por mais de dez minutos. A vitória foi para o Deadman, que escolheu Batista como seu adversário. Mesmo assim, Shawn conseguiu o direito de disputar o título de John Cena na WrestleMania.

Desde janeiro de 2008, não assisti o combate novamente. Sendo assim, acredito que as melhores palavras para o definir serão do Lucas, jovem de 12 anos do Rio de Janeiro, que assistia pela primeira vez pro-wrestling. Loucura. Impossível. Mentira. Como isso é possível. Que foda. Quando isso começou a passar no SBT? – John Cena, assim como em 2004, 2005 e 2006, vence o combate, estendendo sua invencibilidade no principal evento da WWE para 4 vitórias e nenhuma derrota. Shawn Michaels, novamente, provara o porque ele era conhecido como Mr. WrestleMania. Não importava qual seria o seu combate no evento, poderíamos ter certeza que o público acompanharia com todo o afinco, e dali sairia algo de especial. Foi assim em 2007 contra Cena, em 2008 contra Ric Flair, e em 2009 e 2010 contra The Undertaker – sendo o último o derradeiro combate de sua carreira, antes de uma proposta de milhões de dólares sauditas invadirem a sua vida em 2018.

Como vocês perceberam, este combate não foi visto ao vivo. Em abril de 2007 eu nem ao menos possuía acesso a internet. Um ano depois, também não foi ela que me trouxe essa novidade, mas depois disso, foi ela que a manteve. Anos e anos de streams piratas, até a chegada do Fox Sports na minha casa. Porém, essa é a melhor lembrança de WrestleMania que eu poderia ter na minha vida. Sem ela, provavelmente não acompanharia pro-wrestling há onze anos, não conheceria amigos especiais e também não teria escrito esse relato. Nada é mais incrível do que assistir algo e achá-lo mágico. Depois disso, vários outros episódios especiais envolvendo a WrestleMania poderiam ser relatados, mas sem esse, eles não existiriam.

Não deixem de seguir o hype no twitter: @longriverlucas e acesse o WrestleBR

Confira todos os capítulos do especial Memórias de WrestleMania

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *